Nortonamatoconsultor's Blog
Just another WordPress.com weblog

Crise na Europa deve aumentar falências

Pelo menos 330 mil empresas deverão falir este ano.

Os efeitos na economia mundial gerados pela crise que assola a Europa não param de surgir. Este ano, pelo menos 330 mil empresas do mundo todo podem aumentar a quantidade de companhias falidas ao redor do globo – número 3% maior do que no ano passado. E o Brasil, mesmo não sofrendo tantos impactos, deve tomar cuidado, afinal, os reflexos da crise podem, de alguma maneira, afetar as empresas nacionais.

A estimativa é do Euler-Hermes, maior grupo mundial de seguros de crédito. No ano passado, o último Índice Global de Insolvência de Empresas (IGI) diminuiu 3%, mas, este ano o número deve subir novamente. A projeção é de que o número de empresas que declaram falência aumente em 25 dos 33 países monitorados pela empresa – que representam mais de 80% da economia mundial.

Para José Meireles de Sousa, coordenador do curso de Comércio Internacional da Universidade Anhembi Morumbi, os países europeus devem tomar medidas mais sérias para evitar que o número seja ainda maior. “Isso também implica na retirada de direitos sociais e trabalhistas, sem contar que os bancos devem diminuir o crédito, com políticas mais rígidas em função da crise”, argumenta.

Para ele, com a diminuição de créditos bancários, as empresas mais prejudicadas serão as de menor porte. “Grande parte dos empregos do mundo todo está nessas empresas. Com um número elevado de demissões, poderá haver mais trabalhos informais na sociedade, o que prejudica a concorrência e o desenvolvimento das companhias”, acredita.

Impactos no Brasil

Sousa comenta ainda que os danos podem afetar, em parte, o empresariado nacional. “Nossa economia é dependente de outros países. Nossas exportações estão ligadas, na maioria, às commodities. Se algum país não puder mais comprar de nós, isso afeta as empresas exportadoras”, explica.

Por outro lado, Roberto Simonard, professor de economia internacional da ESPM do Rio de Janeiro, acredita que a crise não deve aumentar o número de empresas que pedem falência no Brasil. “A economia europeia é muito grande e, se estiver em crise, as atividades econômicas do mundo todo diminuirão. No entanto, a falência de empresas brasileiras é uma consequência um pouco exagerada, porque as empresas que exportam têm clientes bastante diversificados no mundo todo”, conta.

Esta opinião, inclusive, também é defendida por Erivaldo Vieira, professor de economia da FECAP. Ele acredita que, a curto e médio prazos, a crise não deve afetar tanto as empresas nacionais a ponto de elas terem que fechar as portas. “As empresas que mais sentem são as exportadoras, mas o máximo que pode acontecer é elas sofrerem com a margem de lucro menor, porque vão ter que diminuir o preço para continuar vendendo, ou ainda sofrer com a restrição de crédito externo”, afirma.

O principal impacto para ele, porém, é que, por conta da situação econômica mundial, as empresas nacionais não crescerão tanto quanto gostariam. “Com isso, perderemos vendas e não serão gerados tantos empregos para a população. Vamos crescer menos, mas não devemos chegar a falir”, finaliza.

Ainda de acordo com o estudo da Euler-Hermes, a maior alta de insolvência das empresas em termos percentuais deve vir da Grécia. Em 2011, o número aumentou 35% e, para este ano, são esperados outros 26%.

Fonte: Terra

Nenhuma resposta to “Crise na Europa deve aumentar falências”

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: